sábado, 4 de junho de 2016

Aviso de "despedida"! :)

É tão estranho postar alguma coisa no blog quando não o faço desde 25 de Abril de 2013! O tempo passou tão rápido! Tanta nostalgia! Venho escrever este post em modo de “despedida” do blog…


Antes de mais queria pedir desculpas por ter deixado o blog e por consequência ter feito algumas pessoas ficarem desiludidas por não conseguirem ter um final para uma história que por muito tempo acompanharam. A essas pessoas dedicadas peço desculpas, de verdade. Sinto muito. Não vou entrar no motivo do “congelamento do blog” porque na verdade nem mesmo existe uma razão concreta que me levou a abandonar o blog – foi um acumular de várias situações. Foi pelo facto de “a vida acontecer”, falta de tempo, prioridades e uma sensação de desânimo que me vinha a acompanhar com o blog.

Deixando conversas de treta de lado, vou direta ao motivo pela qual estou a postar. Por vezes ainda recebo e-mail ou até coments – certo é que por vezes os vejo várias semanas depois (realmente é muito raro aceder à conta do blog). Mas gosto do facto de ainda hoje manter contacto com algumas das pessoas com quem conversava anteriormente – criaram-se boas amizades por aqui. Nos comentários espalhados pelo blog, não tenho como responder pois nem mesmo sei se depois vão ver a resposta, mas podem enviar e-mail! Para as pessoas que, por vezes vão comentando por aqui, e as que ainda visitam esporadicamente o blog, espero que este post funcione como uma resposta.

Então, queria apenas deixar aqui o e-mail:  fics.da.ar@gmail.com
Para quem quiser manter contacto, conversar alguma coisa comigo ou simplesmente dizer olá! :)  

São muitas as pessoas que nunca mais ouvi falar e por vezes me pergunto se estão bem! Então convido quem esteja com saudade ou nostálgico que envie e-mail para mim que eu responderei – vou tentar lembrar-me de aceder à minha conta do blog mais frequentemente e prometo solenemente que responderei ao e-mail mesmo que demore. 
E convido também a quem quiser comentar aqui para tentar manter contacto com mais alguém – bem sei que foram varias as leitoras que criaram amizade e companheirismo entre si – use os comentários para se “reverem”.


Agora, falando um pouco de mim, continuo a mesma “AR” de sempre! E, claro, ainda continuo a escrever para mim mesma – e continuo viciada em livros :D Actualmente sou uma Economista licenciada e a caminho de obter o mestrado em Economia também – eu sei, eu sei… com este blog, quem diria? :) Encontro-me bem e satisfeita com a vida que tenho – e espero genuinamente que todos vocês também estejam bem!

Quero dizer que se ainda alguém tiver interesse em saber a conclusão da história avise, que se ainda existir por volta de 10 leitores escrevo os capítulos finais (acabo os rascunhos de anos atrás :) ) Bem sei que provavelmente já poucos se lembram ou têm interesse no eterno casal Nikka e Alexander, mas se ainda houver alguém, eu por questão de fidelidade ao blog, aos personagens da história e aos leitores, neste verão me irei dedicar a terminar a história.
Quero também mencionar que provavelmente irei dedicar-me a um projeto novo no mundo da escrita virtual. Caso realmente o faça os interessados podem enviar-me e-mail e eu irei dizer se realmente coloquei as ideias em prática e onde as podem encontrar.

Por fim, despeço-me com um enorme beijinho de saudades a todos os que acompanharam o blog durante anos. Que leram as minhas palavras neste cantinho, riram, brincaram e cresceram junto comigo. Espero que se recordem de mim com carinho assim como eu me recordo de vocês. Desejo-vos as maiores felicidades! Que sejam felizes na vida que escolherem viver e atingiam tudo aquilo que querem. E que a vida desenhe um eterno sorriso nos lábios :D 

Obrigada pelos momentos passados com o blog!

P.S-> Não vou apagar o blog! Realmente não consigo :)

Beijinhos da AR :* 

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Aviso!!!





Olá!!

Já lá vai alguns meses desde que postei por cá. Deixei de postar por algumas razões, entre elas o descontentamento com algumas pessoas, a falta de tempo e também a falta de vontade de postar. Não quero que pensem que é falta de respeito para convosco ou falta de interesse pelo blog, apenas a vida das pessoas vai mudando e as prioridades são outras.
Tenho recebido vários e-mails e alguns comentários a perguntarem se vou desistir, respondo a maioria das vezes e portanto vou responder aqui para todos =)
Não vou desistir, eu no dia que desistir e não terminar a história aviso explicitamente e provavelmente fecho isto. 

Vou tentar terminar a história nesta altura, falta poucos capítulos e não queria deixar sempre as pessoas sem saber o que acontece - acreditem que sempre que me falam nisso eu fico com remorsos. Eu também não gosto quando uma série para ou quando alguma escritora nunca mais termina o livro que prometeu, portanto também percebo o vosso descontentamento. E definitivamente eu tambem passei muitos, mas mesmo muitos bons momentos convosco aqui e com a história.

Sei que alguns devem estar muito chateados comigo, mas a vida é assim, tem imprevistos e muda algumas coisas. Eu não sou diferente e tambem me acontece isso. Em breve – vou mesmo tentar que seja este fim-de-semana - se não for sábado será no domingo - postar. Sei que muitos nem vão comentar, mas espero que comentem porque estiveram cá tanto tempo que a entrada na reta final da história merece ser comentada e queria a vossa opinião agora mais que nunca. A historia vai terminar dentro de alguns capítulos e é aquele momento em que quero saber mesmo o que acham =) Às vezes recebo e-mails a dizerem que eu não respeito as pessoas, que os leitores foram sempre fieis e eu retribuo com ausência de meses. Por um lado compreendo que a situação é chata, mas também é chata para mim…
Enfim, sem mais demoras e resumindo, espero que não estejam muito chateados, que continuem por aqui e até sábado ou domingo com novo capítulo! =) Espero que vejam, gostem e comentem um pouco =)

Beijinhos

domingo, 5 de agosto de 2012

Capítulo 18 & 19

 O capitulo 18 era para sair mais cedo, mas não o postei propositadamente. Umas coisas no blog andam a deixar um pouco irritada. Vou ver como as coisas correm, deixar andar mais um pouco e depois decido o que fazer.

Agora sobre o capitulo...
Nota mais importante para o capitulo 19: Tem emoções fortes. Não se passem já xD Leiam até ao fim. A sério.

Queria falar sobre uma coisa, já muita gente disse que está com receio e um pressentimento que a Nikka vai morrer. Que ficam nervosos ao pensar que ela morre, e até que não vão gostar se ela morrer.
Claro que não vou dizer se ela vai morrer ou não, se a Nikka e o Alexander ficam juntos. Isso é o maior spoiler! Eu não gosto nada de quando me contam o final de uma série ou um filme que gosto muito. Se eu contar vai estragar a ansiedade pelo final.
Mas vocês conhecem-me. Sabem que eu vou fazer uma coisa com “pés e cabeça”, não posso prometer agradar a todos (até porque eu não sei o que esperam e é quase uma tarefa impossível agradar a toda a gente. Ninguém agrada a toda a gente) mas prometo fazer algo, por falta de palavra melhor, “decente”. Algo que se lembrem. Mas garanto que a maioria vai gostar do final, sim. Independentemente de a Nikka morrer ou não.
Confiem em mim, ok? ;) Ou pelo menos confiem na minha escrita. ;)
Leiam sem medo ou receio. Têm de acabar de ler a historia, os próximos capítulos para saberem.

Boa leitura! Dois capítulos grandes ;)
Acho que este é o post mais longo que alguma vez fiz! xD
Acho que vão gostar destes capítulos. Eu estava “morta” por os escrever.Espero que passsem um bom tempo na leitura!
Vai sem musicas. O meu pc está louco, não me abre os vídeos do youtube. Enfim.
O meu capitulo preferido, destes dois, é o 19º.

Capítulo 18

Saímos do castelo logo depois de ter consigo convencer Alexander a levar-me com ele. O carro seguia veloz e firme na estrada pela condução segura de Alexander. Mantinha-me em silêncio, o rádio ia desligado e os únicos são que se ouviam era a minha respiração e a de Alex, ou a voz dele tensa e enervada sempre que falava pelo telemóvel com alguém, ele falava em Russo e eu não percebia o que se passava. Mas nenhum dos restantes puros devia estar a sair-se melhor que nos, porque Alex continuava impaciente e nervoso e se houvesse alguma noticia sobre a captura dos responsáveis ele ter-me-ia dito.
Sabia perfeitamente que o grande motivo de toda a tensão dele era a minha presença ali com ele. Olhava pela janela quando senti a sua mão no meu joelho apertando-o, por cima do tecido das calças de ganga azul claro. Coloquei a minha mão por cima da dele e virei o rosto para o fitar.
- Vai correr tudo bem, Alexander.
- Não devia ser eu a reconfortar-te? – perguntou com o maxilar tenso.
- Eu sei que estás nervoso por minha causa. – ele assentiu confirmando e enlaçou os dedos nos meus – Mas não precisas. A sério.
- Nikka, eu não quero um único arranhão na tua pele. A sério.
- Se eu ficar com algum arranhão vou pedir-te beijinhos e logo vai passar. Tu dás-me beijinhos se eu pedir? – ele soltou um sorriso tenso que me fez sorrir.
- São muito poucas as coisas que tu me pedes e eu não te dou. – acariciou a palma da minha mão com o semblante grave, certamente ao pensar em como cedera ao meu pedido e me tinha trazido com ele.
- Eu depois compenso-te. Dou-te beijinhos onde tu quiseres. – corei.
Ele riu-se e apertou a minha mão.
- Chegamos.
Olhei pela janela e vi uma casa antiga no estilo victoriano com um grande portão e uns seguranças humanos á porta. Saímos do carro e Alex fez-me ficar atrás do seu corpo enquanto nos aproximávamos do portão. Alex trocou algumas palavras com os seguranças que nos abriram o portão. Acho que ele não desconfiava muito de quem pertencia aquela zona, pois quando entramos ele continuava tenso, mas não ia com as presas visíveis. Entramos numa sala escura sem janelas. Quando Alexander fechou a porta por onde entramos uma mulher jovem apareceu.
Ela cumprimentou Alexander com uma espécie de vénia e eles trocaram algumas palavras num idioma que eu não percebia. Alexander saltou para cima dela e prendeu-a á parede pelo pescoço, fiquei nervosa e olhava para todos os locais á procura de uma possível ameaça. A minha visão no escuro não era tão boa como a de Alexander mas ainda assim via bem o suficiente para saber que eramos os únicos naquela sala.
Alexander soltou a mulher e caminhou para mim, dando-me a mão. Antes de fechar a porta olhei para trás e vi a mulher de cabelos curtos a tocar no pescoço que certamente devia estar dolorido. O seu rosto só espelhava surpresa, e também preocupação. Não me parecia culpada. Se Alexander a deixou viva é porque não tinha uma única duvida sobre ela, caso contrário ela estaria a afogar-se no seu próprio sangue, isto nas melhores das hipóteses.

Quando o carro arrancou novamente eu perguntei a Alexander se tinha alguma pista.
- Não. – passou os dedos pelo couro cabeludo. Nervoso. – Berah não imaginava sequer o que se estava a passar.
- Berah é a aquela com quem… conversas-te? – Não fora uma conversa civilizada, mas não deixara de ser uma conversa.
- Sim. Ela lidera este covil. Um dos seus amantes foi morto.
- Coitada… - gemi triste - Ela deve estar péssima agora!
- Nikka – rolou os olhos – Eu disse um dos amantes dela. Claro que ela ficou apreensiva, e sente a morte de Asif. Acima de tudo tinham uma aliança entre os seus clãs. São dois clãs com pouco território e com a aliança deles ambos os covis partilham a zona de caça beneficiando ambos. Mesmo assim vamos passar pelo território do covil de Asif, não podemos deixar pontas soltas.
- Percebi. Achas que o tal Asif ia suicidar-se só para te atingir?
- Não sei, Nikka. Sinceramente Asif sempre me pareceu leal, mão não confio em ninguém. Suicidas também existem entre vampiros, fanáticos enlouquecidos que acreditam que enfrentam a verdadeira morte por algo superior a eles. A minha queda. Lembras-te que quando aquele camião veio contra nós? – assenti. Fora por esse acidente que descobri o aneurisma, a condutora espetou uma estaca no seu coração. Era uma suicida.
- Porque é que querem tanto a tua queda? Acho que estás a fazer um bom trabalho. – ele sorriu-me.
- Nikka eu estou no poder pela força, porque ninguém me derrota. Sou o mais velho, e controlo o fogo. Reina a lei do mais forte entre nós. Mas existe sempre uma parte da raça que quer mais, quer algo diferente das minhas regras e têm uma visão diferente da minha política. Acontece até mesmo com os governos humanos, manifestações, greves, ect. – assenti percebendo-o – Já leste muitos dos livros que estão na biblioteca Nikka, e basicamente tudo o que passamos se resume á exposição. Uma parte minoritária, sinceramente insana, da população vampira não aceita os puros, a nossa superioridade. Tiveste contacto com a Joanne deves ter percebido as ideias dela. Não aceitam ninguém superior a eles, querem expor-se livremente. Não permito isso Nikka. Nunca proibi a casa nos seus territórios, mas as regras existem para serem compridas. Não quero que o mundo saiba de nós.
- Mas porque eles querem?
- Querem matar livremente, escravizar os humanos. Lembras-te de te ter levado a uma festa e quando aquele vampiro ligado a Joanne me pediu autorização para caças crianças humanas e fazer delas prostitutas e eu não permiti? – assenti – Eles querem seguir todos os seus instintos sem que eu os impeça.
- Mas… Eles não percebem o que acontece se viermos á luz? – perguntei chocada – Vai haver confrontos entre nos, sem limites de território, sem hierarquias tudo vai ficar um cãos! Muitos vampiros vão morrer assim como humanos. Sim, provavelmente os vampiros iriam ganhar a batalha, mas muitos morreriam com todo o armamento que os humanos possuem hoje em dia. Acho que só tu, que és imune ao fogo, irias sair sem lesões desses confrontos. Já para não falar da vulnerabilidade deles durante o dia.
- Houve um tempo que os humanos sabiam de nós e se acobardavam refugiados no medo, enquanto outros nos caçavam abertamente. Esse tempo foi esquecido e só está agora nas páginas dos nossos livros. Para os humanos a lembrança acabou por se transformar num mito sobrenatural. Os vampiros com uma esperança media de vida de 200 anos não se podem lembrar desses tempos e não imaginam o que lhes ia esperar. Agora os tempos mudaram, os humanos têm muitos mais meios para reduzirem significativamente a raça vampira. Criar novos exércitos e treina-los ia demorar no mínimo uma década! Estamos muito bem assim, sabemos que estamos no topo da cadeia alimentar, que somos nos que governamos os humanos, estamos infiltrados nos grandes centros de poder e mesmo a maioria dos humanos não terem o conhecimento da nossa existência e não nos venerarem, nos fazemos o que queremos, caçamos as presas livremente… Só se pede descrição. Mas ainda assim existe quem tenha uma mente insana pelo poder desmedido e querem ser uma espécie de divindade para os humanos, por isso a raça mais pura, nós os puros Nikka, somos um alvo a abater. Somos superiores a eles e impedimo-los facilmente. Normalmente são os mais fracos que têm essa anciã de viverem como querem. Claro que também gostariam de criar vampiros sem regras e amentar o poder dos seus clãs, tu sabes que eu também controlo o numero da espécie, por uma questão de sobrevivência. Se existir muitos vampiros por determinadas zonas, a caça seria insuficiente. Dou uma margem segura, assim como faço para os puros. Por exemplo, no território de Assif entre 20 a 30 vampiros, quando um morre é substituído ou não, simplesmente não pode passar dos 30 porque aí seria insustentável, imagina essas medidas como controle de natalidade. E se eu dito que é assim que se faz, é assim que será. Não posso impedir estes pensamentos de revolta e ideias ignorantes, mas certamente posso impedir estes actos. Isso garanto-te. Hoje mais que nunca! Eu tenho-te a ti para cuidar. – rugiu raivoso.
- E vais conseguir, Alex. Sempre conseguiste durantes estes milénios que reinas-te.

Quando chegamos ao território de Assif, Alex avisou-me para estar atenta. Cada quilometro era percorrido cada vez mais devagar até chegarmos ao covil. Algo estava errado, o covil não tinha guardas. Alex estava tão nervoso que as suas presas estavam alongadas e os olhos ensanguentados antes mesmo de ter parado o carro.
- Nikka – a sua mão cobriu a mim que ia abrir a porta e eu olhei o seu rosto que estava tão próximo do meu, os seus olhos já estavam raiados de sangue – Por favor, deixa-me levar-te para casa.
- Não, amor. – soltei a mão que ele segurava e levei aos seus cabelos encostando a minha testa á dele, as nossas respirações juntaram-se. A dele estava tão acelerada – Calma. Nada me vai acontecer, estou contigo. Tu proteges-me.
Ele beijou-me sofregamente enquanto as suas mãos percorriam todo o meu rosto.
- Eu estou com um péssimo pressentimento, Nikka. – respirou fundo – Não consigo pensar em nada mais para além do facto que estás vulnerável.
- Ey, estou contigo Alex. Sou tua cria, treinaste-me o suficiente para isto. Vamos.
- Espera! – pediu alarmado antes de eu abrir a porta – Por favor…
- Sim. Eu vou fazer tudo o que me mandares, sem hesitar. Mas por favor, não te passes antes de entrar-mos! – tentei suar calma e descontraída.
Eu percebia Alexander, eu também estava preocupada com ele. Mas se me mostrasse preocupada, com medo ou nervosa era o fim, ele já estava um molho de nervos quando eu aparentava calma e descontração. Acariciei a sua sobrancelha e beijei-lhe de leve os lábios.
- Vamos lá?
- Vamos. – assentiu depois de respirar fundo.
Alex parecia um animal predador, ia na minha frente, meio agachado e cada passo que dava era lento e calculado. A minha respiração tornou-se agitada e senti formigueiro no meu couro cabeludo. As minhas presas alongaram-se e o instinto de predador que existia em mim fez-me caminhar meio agachada também - como de estivesse pronta para saltar para cima do que se metesse no meu caminho. Não tinha a elegância de Alexander, não era mortal como ele, mas estava pronta para o que fosse necessário.
O sol batia na minha cabeça e sabia que devia ser desconfortável para Alexander, os seus olhos sem os óculos deviam ardeu e incomoda-lo um pouco. Fechei os olhos e respirei fundo, á espera que funcionasse. Era fácil para mim, era natural, era o meu poder. Protegi Alex dos raios solares, e percebi que tinha resultado quando ele me lançou um olhar e se permitiu esboçar um sorriso torto antes de voltar á postura predatória.
Entramos na casa de apenas uma assoalhada e começamos a percorrer os compartimentos antes de descermos para os andares subterrâneos. Parei de respirar enquanto caminhava atrás de Alex que de 3 em três segundos olhava para trás para me vigiar.
- Parece que não tem ninguém aqui. – sussurrei e ouvi a minha voz baixa percorrer aquele corredor longo e escuro.
Ele levou o dedo indicador aos meus lábios calando-me. Depois levou esse mesmo indicador para o seu ouvido a indicar para ouvir com atenção ou que nos poderiam estar a ouvir.
Aquele corredor cheirava mal. Cheirava-me a sangue humano coalhado e podridão. Algo se tinha passado ali, claramente. A adrenalina corria pelas minhas veias, a minha audição estava mais aguçada, o olfato apurado.
Quando passei por um espelho parei. Pareceu-me ter visto algo brilhante. Alexander percebeu que tinha parado e fez-me sinal com a cabeça para continuar atrás dele. Dois segundos depois de ele ter virado a cabeça, senti um movimento de ar no meu lado direito. Os meus olhos focaram algo em movimento. Antes de me tocarem, eu já tinha reagido. Com um rugido empurrei o corpo contro a parede, segurei-o pelo pescoço.
- Nikka!
Alex no mesmo segundo estava ao meu lado ofegante.
- Apanhei-te. – rugi para a vampira.
Ela debatia-se e rugia desesperada e só assim é que percebi que as minhas mãos estavam a queima-la com a luz solar que emanava delas. Soltei-a. A vampira estava num estado lastimável. As marcas no pescoço em carne viva eram minhas, mas não tinha sido eu a arranhar os seus braços e rosto daquela maneira. Ela estava mesmo assustada, os seus olhos azuis espelhavam pavor.
- Rei Alexander! – suspirou reverente num sotaque britânico arrastado.
- Situação Mariannan?
- Fomos atacados. Estou de vigia no nível um, o resto do covil está no nível três e dormem enquanto é dia. Fomos atacados! O mestre Asif está morto.
Ela levantou-se enquanto eu tentava assimilar o que se estava a passar, no entanto estava muito agitada e quando um vampiro apareceu no corredor eu lancei-lhe um raio de luz enquanto Mariannan gritou.
Alexander segurou o meu braço dizendo para parar.
- É o Nigel que está a guardar o nível dois! – a vampira correu para o final do corredor onde o vampiro se tinha escondido na esquina.
Olhei apreensiva para Alexander.
- Fizeste bem, pequena. Nunca hesites. – tirou uma mecha de cabelo do meu rosto enquanto eu me acalmava e sentia as presas recuarem – Está tudo bem.
Nigel fumegava de um braço e tinha o rosto queimado de um lado. Olhou-me com raiva, mas depois viu como Alexander me dava a mão e olhou para o chão.
Nigel era um homem comum de uns 30 e poucos anos. Mas Mariannan não apenas comum. Ela era realmente bonita mesmo com alguns arranhões no rosto e meia descabelada. Cachos perfeitos e finos caiam-lhe pelo rosto num corte de cabelo pequeno que realçava os olhos azuis límpidos. Devia ter perto da aparência de 26  anos de idade de Alexander.
- Rei, foi tudo tão rápido! – começou Mariannan – Eram umas 3 horas da manha quando entraram pelo covil, mataram os guardas, prenderam-nos com prata e levaram Asif.
- Quando alguns se soltaram e ajudaram os outros, ficou dissidido que nos ficaríamos de vigia. – disse Nigel também com sotaque britânico. – Não acreditávamos que sofrêssemos algum problema em pleno dia. Quando caísse a noite estaríamos prontos para ir ao castelo contar o que se passou. Eles cortaram as nossas ligações de comunicação.
- Sabem qual o clã a que pertenciam os atacantes?
- Não, senhor. – respondeu Nigel. – Não reconheci nenhum deles.
Alexander pegou no telemóvel e começou a fazer telefonemas enquanto eu alternava olhares de Nigel para Mariannan, avaliando-os.
- Vocês são parecidos.
- Sim – respondeu Mariannan – Somos irmãos. Fomos transformados com diferença de dois anos. Eu fui a primeira a ser transformada, em 1987.
Assenti. Mariannan olhava-me entre curiosa e desconfiada e Nigel passava as mãos pelo lado do rosto que eu queimara um pouco. Ele iria curar.
- É a cria do Rei Alexander, não é? – perguntou cuidadosa a vampira.
- Sim.
Ela desviou o olhar do meu e ficou a olhar para Alexander que desligava o telemóvel.
- Um de vocês vem connosco até o próximo covil – gesticulou entre os dois vampiros - preciso que reconheçam se algum deles esteva entre os atacantes. Suspeito fortemente que Atreus esteja envolvido, ele não compareceu á reunião em minha casa. Asif foi convocado e também não compareceu, mas sabemos o motivo. E Atreus não estava na lista das vitimas.
- Mas é pelo dia! Não podemos sair, senhor. – apontou Nigel.
- Nicholaa controla a luz solar. Ela vai impedir que queimem.
- Então eu vou. – ofereceu-se Mariannan. – Nigel fica a vigiar. Ele foi atacado e ficou inconsciente durante todo o ataque. Eu vi tudo.
- Está bem. – assentiu Alexander. – Vamos.

Antes de sairmos daquela casa eu puxei Alexander á parte, longe o suficiente para que os outros dois não ouvissem a conversa.
- Estou á espera.
- Como?
- Não te finjas de desentendido. – acusei-o – Eu percebi muito bem a familiaridade com que aquela loira oxigenada falou contigo. A maneira como ela olhava para ti com esperanças.
- Nikka…
Apenas o olhei furiosa.
- Foi uma das muitas que levaste para a cama, não foi?
- Não te vou responder a isto agora. Não é o momento.
- Vais responder a isto vais, ou eu não dou um passo daqui!
- Porra! – praguejou baixo enquanto passava as mãos pelos cabelos desalinhados – Sim, já fui para a cama com ela. Passado Nikka. Eu vivo á muitos, muitos anos. É obvio que tive muitas mulheres.
- Eu sei. – disse amarga – Obrigada por me lembrares, seu mulherengo! Mas algo me diz que isto é recente, ela olha-te com espectativa. – esfreguei as têmporas enervada. – Não quero que ela vá. Vai o Nigel.
- Nigel não viu o ataque.
- Então vai acordar outro que tenha visto!
- Não sejas infantil. Não vamos perder tempo.
- Infantil? – rugi chateada.
- Ciumenta, então. Tenho a cabeça a mil, não te queria aqui e tu estás a ficar com ciúmes numa altura dessa. – riu-se nervoso – Se a situação não fosse tão problemática eu levava-te para casa, ou nem lá chegaríamos, e mostrava-te como não tens nenhum motivo para ter ciúmes.
- Quero que me digas quantas vezes fostes para a cama com ela. E há quanto tempo foi a ultima vez!
- Nikka…
- Alexander, estou a falar muito a serio.
- Tu queres mesmo saber? – rosnou baixo – Tu é que sabes! Não faço ideia quantas vezes foram, talvez entre umas 10 a 20. E a ultima vez que estive com ela foi numa festa, na ultima noite que passei no castelo antes de ir para a Villa e te conhecer. De manha estive com a Kawit e depois apanhei o avião. Depois toda a minha vida mudou quando te conheci. – comei a arfar com o choque - Era isso que querias saber?!
Não, não era aquilo que queria saber. Senti os olhos encherem-se se sangue enquanto me sentia ainda mais pálida que o normal. Alex rugiu baixinho e esticou a mão para mim. Afastei-me dele e saí de casa.
Alexander seguiu-me, enquanto Mariannan ficou no interior.
- Podes vir. – rugi alto para ela.
Ela apareceu hesitante na porta e depois correu para o carro o mais rápido que podia. Rolei os olhos enquanto o meu sangue fervia. Quando entrei no carro ela estava encolhida num canto.
- O carro é á prova de raios UV.
Ela relaxou e eu arrependi-me de lhe ter dado essa informação. Ela bem que podia ficar aterrorizada durante a viagem á espera de queimar pelo sol e não olharia para Alexander nem para mim.
Alexander entrou e ficou a olhar para mim e quando ele ia abrir a boca para falar eu levantei a mão.
- Falamos em casa. – ele que abrisse a boca para dizer algo que fizesse aquela anormal perceber que tínhamos discutido. Ainda mais por causa dela.
Ele resmungou qualquer coisa e arrancou tenso.
- Estou com dores de cabeça. – disse alto, sem me dirigir especificamente a ninguém – É normal que o meu dom não funcione tão bem.
A loira oxigenada atrás soltou um guincho assutado que fez um sorriso desenhar-se na minha boca. E Alex riu-se baixinho ao me olhar de canto de olho.
Eu não estava a brincar. Havia a probabilidade eventual de eu não conseguir proteger a vampira do sol e ela, por um erro sem intenção da minha parte, vir a queimar ao sol e desaparecer... Então olhei para Alexander, ali a conduzir preocupado e tenso, por minha causa. Sabia que a loira podia dar-lhe a confirmação que ele precisava e eu não ia colocar isso em risco.
Suspirei. Fora duro ouvir aquilo da boca dele, saber quem tinham sido exatamente as últimas antes de mim. Kawit nem era assim tanto um surpresa para mim, sinceramente mesmo Alexander nunca me ter dito, era mais que lógico que também tinha tido sexo com Jullianne durante aqueles seculos todos que ela têm. Na noite que ele esteve com Mariannan também deve ter estado com outras, e nos dias daquela semana com ainda mais. Milhares de mulheres devem ter passado pela cama dele.
E, mesmo aquilo me ter magoado ao saber, especialmente pela maneira como soube, não era o momento para ficar chateada. Sim, estava cheia de ciúmes mas Alexander estava tão nervoso que percebi porque ele dissera aquilo e daquela forma.
Não queria que ele ficasse ainda mais aflito, ele estava tão preocupado comigo, trouxera-me com ele. Eu sempre teria muitos ciúmes, mas ao olhar pelo retrovisor para a mulher no banco de trás sabia que não tinha qualquer concorrência ali. Era só uma das muitas vampiras com quem Alex tinha tido sexo. Depois de mim, nenhuma outra tinha estado com ele. Eu sabia com toda a certeza do mundo, que ele me amava com todo o seu coração. Assim como eu o amava. Tinha ciúmes, mas não era o momento para o preocupar ainda mais.
Estiquei a mão e coloquei-a na sua coxa, apertei os músculos numa caricia. Ele suspirou e colocou a mão em cima da minha acariciando-a enquanto me olhou e sorriu.
- Acho que vais ter de me dar muitos beijinhos também. Para me compensares. – provoquei-o.
- Em todos os sítios que tu quiseres.


Alexander parou o carro e sem o ter desligado ainda saltou e matou os guardas em menos de 3 segundos, impedindo-os de comunicarem com o interior. Voltou calmamente para o carro e desligou-o entregando-me a chaves.
- Se eu te mandar correr, tu corres o mais rápido possível e arrancas. Sem pensar duas vezes. Percebes?
- Sim. – assenti com um gesto de cabeça e guardei a chaves no bolso das calças.
Saímos do carro e Mariannan mesmo com medo do sol não correu para a mansão que se erguia na nossa frente, como eu esperava que ela fizesse.
- Ey – disse-lhe baixinho – O meu dom não vai falhar.
Ela respirou um pouco mais aliviada, mas percebia o seu medo do sol, inimigo mortal dela. Eu também tinha medo do que poderia encontrar, mas sabia que Alexander me protegeria sempre.
Caminhei meia agachada uns paços atrás de Alex que arrombou a porta. Entramos na mansão, o salão principal era escuro e frio. Arrepiou-me. Só entrava um pouco de luz pela porta, abrangia cerca de dois metros da porta. Mesmo assim mantive a proteção em Mariahna.
- É ele! – gritou Mariannan avisando-nos.
Não era necessário, pois um homem estava no cimo das escadas de braços cruzados como se esperasse por nós.
- Não devias estar a dormir, Atreus? – ironizou Alexander.
No momento seguinte ele saltou para cima dele. Ao mesmo tempo senti uma bala perfurar a minha pele no ombro. Rugi de dor e raiva, procurei pelo agressor e vi-o escondido atrás de uma poltrona. Podia queima-lo mas saltei para ele invés disso, segurei-o no chão pelo pescoço enquanto ele me rugia. Parti uma lasca de madeira da poltrona e enterrei-a no seu coração. O corpo começava a desfazer-se em cinzas.
Alex tinha Atreus imobilizado e olhava aflito, pisquei-lhe o olho e ele tentou esboçar um sorriso mas falhou. Estava pálido por me ver a lutar.
Mariannan sangrava de um braço onde tinha sido atingida por uma bala e arfava. Foi então que vi pelo canto de olho três pares de olhos que brilhavam no escuro. Estavam agachados num canto atrás de uma espécie de pequena fonte. O seu odor era mascarado pelo sangue que escorria da fonte.
Desta vez lancei um raio forte de luz para as sombras e ouvi os rugidos. Só parei quando se calaram e cinzas esvoaçavam pelo salão.
- Vou certificar-me que não há ninguém no andar superior. – segurei o ombro que sagrava.
- NÃO! – Rugiu Alex do cimo das escadas.
- Confia em mim.
- Nikka, não abuses, ok? – olhou-me zangado - Por hoje chega de aventura para ti.
- Ok… Eu fico aqui…
- Estás bem? – perguntou preocupado.
E foi aí que tudo começou. Ouvi disparos na nossa direcção e o meu reflexo foi saltar para as escadas e correr para Alex. Ele automaticamente largou o vampiro que segurava e colocou-se na minha frente. As balas batiam na pele dele, rasgavam a camisa mas não perfuravam a sua pele resistente. A adrenalina era tão grande que pouco sentia a dor no ombro.
O vampiro que Alex tinha largado tentava fugir. Sabia que ele era importante, então o meu reflexo foi saltar para cima dele e prende-lo ao chão pelo pescoço. Ele rugiu e começou a mover-se, agarrou o meu pulso direito que prendia o pescoço dele. Partiu-mo.
- Filho da puta! – gani de dor.
Com a mão direita espalmei o seu rosto, e queimei-o enquanto era a vez dele ganir de dor. Provavelmente estava a chamar-me filha da puta também, só que numa língua diferente.
Estava quente e quando olhei por cima do ombro enquanto continuava a segurar no rosto de Atreus com a palma da mão brilhante. Percebi que Alex arrancava a cabeça a um vampiro em chamas que tentara saltar para nós. A sala ardia em chamar grandes e intensas. Procurei por Mariannan e ela estava no cimo das escadas, com a parte do lado esquerdo do rosto e tronco negro, tinha sido queimada também e gemia encostada a um canto depois de ter decapitado uma vampira negra.
- Cuidado! – gritei quando vi outra vampira que apareceu atrás dela.
Lancei-lhe um raio que a atravessou e reduziu a cinzas a atacante. Senti-me voar para as escadas. Para matar a vampira que ia atacar Mariannan tive de soltar o rosto de Atreus que aproveitou para me pontapear para longe.
Alex controlou-me com a mente e impediu que batesse contra a parede enquanto saltou para Atreus o único que ainda devia estar vivo.
Desviei o olhar de Alex enquanto ouvia os gritos de dor de Atreus, não devia estar a ser bonito.
Dois minutos daquilo pareceu ser o suficiente para Atreus falar, já que Alexander acabou com aquilo e nunca mais ouvi Atreus.
Alexander tremia um pouco quando me pegou no colo, apesar de estar de pé e razoavelmente bem deixei que ele me pegasse ao colo e encostei a cabeça no seu pescoço beijando-o suavemente. Sentia o sangue correr pelas suas veias numa velocidade alucinante.
Alexander embrenhou-se um pouco além da berma da estrada e sentou-me encostada a uma árvore, ajoelhou-se tremolo ao meu lado. Estávamos rodeados de árvores e o vento era refrescante. Começou a rasgar a camisola no meu ombro direito e avaliou o ferimento.
- Vou levar-te a Alonzo.
- Não. Tira-me a bala, por favor.
- Não consigo. – arfou.
- Não sejas tonho. – ri fazendo uma careta com a dor que senti – A sério, tira-me a bala que realmente está a começar a doer-me. E se for eu a tirar ainda faço pior.
Ele respirou fundo e olhou-me desnorteado, ainda mais pálido que o normal mas os seus olhos estavam firmes para o que ia fazer.
Trinquei o lábio e apenas gemi baixinho pela dor quando ele colocou os lábios por cima da ferida e sugou a bala de madeira para depois cuspi-la.
- Obrigada.
Ele lambeu os lábios e depois beijou a minha ferida que começou a cicatrizar lentamente enquanto a sua língua deslizava pela minha pele. Alexander gemeu, não sei se por me ter magoado ou pelo meu sangue deslizar pela sua língua. Provavelmente ambos.
- Nunca mais te trago comigo. – resmungou com a cabeça encostada no meu ombro agora completamente curado.
- Nem penses. Eu saí-me muito bem.
- Não me importa. Fiquei apavorado. – resmungou enquanto me mordiscava a clavícula. – Não te podia mandar fugir porque a saída estava infestada de vampiros.
- Eu fiquei bem.
- Tinhas de te armar em guerreira e prenderes Atreus?
- Não o ia deixar escapar. – acariciei o seu cabelo.
- O cúmulo foi teres defendido Mariannan. Sua louca, nunca mais faças algo assim. Estou a falar muito a sério.
- Aham. Atreus deu-te alguma pista?
- Sim. Vou levar-te ao castelo e parto para a Nova Zelândia imediatamente. Tenho de os apanhar o mais rápido possível antes de fazerem mais estragos ou se juntarem todos.
- Oh, não! – resmunguei – Eu hoje tinha de ter direito a muitos beijinhos!
- Eu volto no máximo em 48 horas para te encher de beijos.
- Onde eu quiser?
- Onde tu quiseres – riu suavemente.
Ajudou-me a levantar e depois avaliou o meu pulso com calma.
- Dói, pequena?
- Quase nada. – ele ergueu uma sobrancelha – A sério, quase nada!
Pegou-me novamente ao colo e perguntou baixo e suavemente ao ouvido:
- Queres o meu sangue? – mordiscou-me a orelha.
- Não agora. Ou não vais para Nova Zelandia tão cedo.
Ele apertou-me contra o seu colo e levou-me para o carro.

 
Capítulo 19

Pelo caminho de volta Alexander estava constantemente ao telemóvel, e Mariana tentava não gemer de dores no banco de trás. O sol começava a desaparecer no horizonte dando os últimos raios do dia quando Alexander parou o carro em frente ao covil dela.
- Podes sair – disse-lhe – Mas depois de entrares em casa já não vais estar mais protegida contra o sol. – avisei-a caso ela pensasse que estaria sempre. Obviamente não a podia proteger a quilómetros de distância.
Ela assentiu.
- Obrigada Rainha.
Fiquei em estado catatónico enquanto ela saia do carro e corria o que podia para dentro do seu covil.
- Ela acabou de me chamar Rainha? Com toda aquela reverencia na voz?!
Alexander arrancou suavemente e olhou-me entre chateado e divertido pelo meu estado de choque.
- Era o mínimo. Depois de a teres protegido, e teres partido um pulso no meio do processo. Que não volte a acontecer.
- Não ficas-te orgulhoso da tua cria hoje? – brinquei.
- Fiquei sim, sua tonta.


Alexander só tomou um banho muito rápido enquanto Alonzo me avaliou o pulso. Não era necessário, uma boa noite de sono e eu estaria bem. Mas para que Alexander sossegasse eu nem reclamei.
Odiava ter de despedir-me dele. Estava na entrada do castelo a despedir-me, enquanto Alain revirava os olhos encostado á carrinha que os levaria ao Aeródromo onde seguirem no jacto privado de Alexander até Nova Zelândia.
- 48h, nem mais um minuto. – avisei-o.
- Não faças beicinho, pequena. – resmungou beijando-me nos lábios – Prometo. 48h, nem mais um segundo.
- Não queria nada que viajasses agora Não posso mesmo ir?
- Não. E este não vai-se manter mesmo que faças um beicinho ainda mais irresistível.
- Está bem. Então traz-me um presente. – pedi a tentar adiar a sua partida ao máximo.
- Queres alguma coisa em especial?- afastou o cabelo da minha testa e olhava-me nos olhos risonho. – Ou faço surpresa?
- Surpreende-me. – os meus dedos correram pelo seu pescoço. – E depois tens de me levar a conhecer Nova Zelândia.
- Vou levar-te a conhecer o mundo todo.
- Vou cobrar. – sorri, pousei o rosto no seu peito enquanto ele acariciava as minhas costas e beijava o topo da minha cabeça – Tens mesmo de ir, não é?
- Sim, pequena. Tenho mesmo de ir. Mesmo de jacto ainda vai demorar umas horas a chegar, e todos os minutos são importantes para os apanhar. Quero apanhar o grupo principal durante o dia.
- Está bem. – suspirei e ergui os lábios para ele que os beijou sofregamente.
- O castelo está protegido ao máximo. Kawit e Julianne ficam. Vão ficar no piso inferior sempre alerta. O castelo até por ar está protegido. Não tenhas medo, não há lugar mais seguro do que o castelo.
- Não tenho medo. Confio em ti.
- Amo-te. – beijou-me uma ultima vez – Comporta-te. – mordiscou-me o nariz.
- Amo-te. – puxei-o pela camisa para um ultimo beijo – Boa viagem. E liga-me, ouviste?
Ele sorriu e piscou-me o olho antes de entrar no carro. Quando o carro ia sair pelos portões eu corri até lá e enquanto mordia os lábios disse-lhe adeus.
Ele sorriu e acenou-me pela janela.
Mal eu sabia que podia vir a ser o ultimo vislumbre que tinha dele.


Dormi mal a noite toda. O dia seguinte ainda foi pior, Alex já devia ter aterrado mas não me disse nada. Só por volta do meio-dia é que recebi uma mensagem dele.

“ Espero que tenhas dormido bem, boneca.
A viagem correu bem, mas se não tivesse corrido não ia morrer mesmo que o avião se despenhasse ;) Aproveitei para dormir um pouco e descansar. Nas próximas horas não terei oportunidade para isso.
Não te telefonei ou dei notícias porque sei perfeitamente que tão cedo não dormiste e que só agora ou daqui a uma ou duas horas é que vais acordar. Não queria perturbar o teu sono. Precisas de descansar.
Quando acordares, se já não o estás, manda-me uma mensagem.
Amo-te”

Comecei a escrever-lhe uma mensagem de volta.

“Não, não dormi bem. Não te tinha ao meu lado para agarrar. Não dormi quase nada.
Tu deves ter dormido bem, já que eu não estava aí para te perturbar com os meus abraços. :S
Já estou cheia de saudades tuas. Quero que voltes rápido, quero o meu presente, quero os meus beijinhos e quero o teu sangue.
Eu amo-te mais. ”

Uns segundos depois recebi a resposta dele:

“Devias ter dormido. Precisas mesmo descansar. E se dormires o tempo vai passar mais rápido.
Claro que não dormi bem, pequena. Senti a falta do teu corpo quente junto ao meu, do teu perfume. Senti falta de te ter agarrada a mim. Quando acordo tenso são os meus instintos, não por não gostar de dormir agarrado a ti. Estou a melhorar nisso. Eu só quero dormir agarrado a ti, agora.
Também estou cheio de saudades tuas.
Eu vou voltar rápido e vou-te dar tudo o que queres. E muito mais.
Só podes estar a brincar com o “Eu amo-te mais”.
É obvio e indiscutível que sou eu quem ama mais.”

Corei e respondi rapidamente.

“ Hum, acho bem que gostes de dormir comigo, porque sinceramente se não gostasses não terias outro remedio que continuar a dormir agarrado comigo á mesma.
Vou cobrar tudo o que pedi. E o “muito mais” também.
Assim que poderes liga-me, por favor.
Não me enerves Alexander William, sou eu quem ama mais. Não discutas comigo, estou frágil.”

Sorri quando um minuto depois recebi a sua mensagem.

“ Sim, minha Rainha. Sou o seu eterno escravo, vou dormir consigo, dar beijinhos, presentes, o meu sangue, o meu corpo e tudo o que a vossa grandeza desejar.
;)
Assim que poder ligo-te, pequena.
Estou numa reunião e daqui a pouco vou para o campo e não vou poder mandar mensagem ou ligar-te.
Nicholaa Alannah, não me enerve a senhorita. Sempre fui eu quem mais amou, posso tolerar que a minha pequena me ame só um bocado a menos do que eu a amo. Mas, como sempre, eu tenho de ser o dominante. Sou eu quem ama mais. Fim da discussão, entendeu?
Amo-te pequena. Por favor cuida-te."

Com lagrimas nos olhos mandei-lhe a resposta.

“ Como sua Rainha digo-lhe que se comporte. Sei que nada destrói esse corpo (que é meu para o que quiser, deixe-me frisar bem esse ponto) mas, caro senhor Alexander, faça-me o favor de ter cuidado. Não quero que se magoe - Unicamente por motivos de amor incondicional, fui clara?
Espero que tudo corra como planejou, que seja rápido e venha logo de seguida (depois de comprar um presente, como é obvio. Mas não demore, qualquer coisa serve) porque tem de me agradar.
Mando-lhe um beijo na boca.
Não aceitei os seus argumentos para o fim da discussão, mas como carece de tempo, sugiro que discutamos a intensidade e mensuração do amor que nos une pessoalmente. Na cama se possível – se a sua excelência concordar.
A sério, Alexander. Amo-te.
P.S-> Depois liga-me.”

Recebi novamente uma mensagem dele e comecei a ler com um sorriso tremulo nos lábios.

“Depois ligo-te boneca. Sim, discutiremos isso pessoalmente, e não vejo problemas para que o seja na cama. Ou no sofá. Ou na banheira. Depois também discutiremos os detalhes pessoalmente.
Não te preocupes, pequena. Vai correr tudo bem.
A sério, Nicholaah. Amo-te. ;)
P.S-> Tenta só impedir-me de te ligar.”

O dia arrastou-se incrivelmente devagar. Reli as mensagens dele um milhão de vezes, pensei em alimentar-me mas sinceramente não tinha fome. Fui para a biblioteca, e finalmente decidi deitar-me na cama e esperar que ele me ligasse enquanto via um filme na tv.
Mal o telemóvel tocou eu desliguei a televisão e atendi.
- Pensei que já não me ias ligar! – resmunguei.
- Eu disse-te que te ligava o mais rápido possível. – ouvi a sua voz enrouquecida dizer.
- Pois eu já ia dormir e não me importava se ligavas ou não. Já falta pouco para a meia noite.
- Aposto que estavas á espera do meu telefonema sempre a olhar para o telemóvel.
- Por acaso até não estava. Convencido.
Ele riu-se.
- Ok, só estava um bocadinho. E tu, não estavas com vontade de me ligar? – perguntei ofendida.
- Claro que estava, Nikka. Depois do que se passou custou-me ainda mais afastar-me de ti.
- Só foste porque quiseste. – resmunguei.
- Não digas isso. Sabes que não é assim.
- Eu sei. – murmurei – Só estou rabugenta por não estares aqui.
Ele suspirou do outro lado.
- Amanha á noite já estou contigo. Vamos discutir. Na cama, no sofá e na banheira. – sussurrou e riu – E não fiques corada. Não consegui decidir o local, por isso discutimos em todos, pode ser?
- Pode. – murmurei baixinho.
- E depois vais escolher o local onde queres passar as próximas 3 semanas. Vamos viajar pelo mundo todo, quero mostrar-te tudo, contar-te o que vi. Temos de vir ao castelo pelo menos de 3 em 3 semanas e ficar uma para tratar das coisa, mas não tem problema pois não?
- Não. Claro que não! – ri-me – Podemos ir á praia. Eu protejo-te. – afirmei séria.
- Está bem. As praias vamos descobrir juntos. Só vi algumas e á noite. O sol incomodava-me para estar naquela areia quente.
- Vês a sorte que tens de me ter, Alexander? Vai ser tão bom… Estarmos assim numa praia. Já não vou ter problemas de ficar com um escaldão! Mas, ey, quando formos, e lá estiver mulheres assim super jeitosas eu mato-te se começas a apreciá-las.
- Como vou olhar para outra além de ti? – perguntou incrédulo – És minha Nikka. És perfeita, e toda minha. O único problema é que os homens não vão tirar os olhos de ti, e eu vou ter de matar alguns. – ele estava a falar tão sério que tive de me rir.
- Isso vai ser mais complicado. Vai passar homens assim todos morenos e todos jeitosos e obvio que vou ter de olhar! – provoquei-o.
- Não brinques com isso.
Distrai-me um pouco da conversa, pois ouvi uma agitação e olhei pelos portões. Um grupo tinha aparecido e falava com os guardas do portão. Kawit saiu disparada e sem trocar uma única palavra com eles matou-os imediatamente. Abri rápido a janela e nesse mesmo instante ela olhou para mim.
- Fecha a porra da janela! – rugiu-me tão alto que eu estremeci e fechei imediatamente a janela.
- Nikka? Nikka?! O que se passa?!
- Não sei. Um grupo apareceu nos portões e a Kawit foi lá. Matou-os imediatamente. Abri a janela para tentar perceber o que se passava mas ela mandou-me fecha-la.
- Fecha a janela! – rugiu-me.
- Já fechei!
Ele estava a começar a respirar aceleradamente.
- Alexander, está tudo bem. Ouve sempre alguma agitação durante o dia. Tens um completo exercito aqui. Como disseste, é o local mais protegido possível. Estou bem.
- Porra! Não consigo lidar com isto. Não devia ter saído daí.
- Claro que devias. Tinhas de os apanhar antes de ocorrer o pior, e só tu os podias parar. Vou ver se está tudo bem.
- NÃO! FICA NA PORRA DO QUARTO!
- Eu estou na porra do quarto. – exasperei. – Acalma-te, por favor.
- Desculpa ter gritado. – disse suavemente, persuasivo enquanto eu olhava pela janela – Mas por favor, fica no quarto. Não vás novamente para a janela…
- Já fui.
- NIKKA!
- Está tudo bem, a Kawit está a dar voltas ao castelo a falar com os guardas e parece que está tudo controlado.
- Está bem, então. Então agora volta para a cama e fala comigo, está bem? Onde queres ir mais?
- A tua tentativa de me distraíres e me fazeres sair da janela é muito subtil, caro Alexander. - ri.
- Está bem.- riu tenso. – Mas sai de perto da janela, por favor.
- Já sai, tonto.
- Não saias do quarto, não vás á janela. Eu vou ligar a Kawit e a Julianne. Depois ligo de novo para ti. Podes prometer-me que fazes o que disse?
- Sim. Prometo Alexander.
Ele desligou e eu rolei os olhos impaciente. Era óbvio que o castelo iria ter tentativas de ataque. Mas Alex tinha um exército de vampiros e humanos apara me defender. Kawit estava aqui, e ela controla a vida, ela mataria rapidamente quem se aproximasse. Se ela ia pessoalmente arrancar a cabeça deles é porque não havia grande perigo.
Percebia o nervosismo de Alexander, se fosse eu também estaria assim.

- Mais calmo? – perguntei quando atendi o telemóvel.
- Sim. – suspirou – A situação aqui está quase controlada aqui, falta apanhar alguns que se esconderam, mas rapidamente o vou fazer. Dentro de algumas horas estarei contigo.
- O meu vampiro poderoso! – brinquei. Eu sentia-o tão tenso que só queria que ele descontrai-se. Ele suspirou. – Estás bem?
- Não, não estou. Não gosto disto. Nada. Não te posso ter comigo porque és o primeiro alvo a abater, és o meu ponto fraco. E eu vou enlouquecer se não te tiver no meu raio de visão. O castelo está mais seguro do que nunca, nada entra aí, mas fico muito nervoso.
- Então não te preocupes. Por favor, não gosto que estejas assim.
- Não consigo evitar. Tu és tudo o que tenho.
- Oh meu amor, tu é que és tudo o que tenho. Tu és um Rei, tens um castelo, um reino...
- Tu és a única coisa que importa. Se não te tiver, não tenho nada. É tão aterrorizante.
- Alexander com medo? Wow. – tentei aliviar a conversa e acalma-lo.
Ele riu-se.
- Muito medo, princesa.
- Gosto desse princesa. Fica perfeito quando a meia-noite começa a soar.

Mal ele acabara de falar ouvi um som ensurdecedor. Depois silencio.
- Alex? – arfei. – Algo está errado.
Mal acabei de falar ouvi explosões, o terreno á volta do castelo começou a tremer. Corri para a janela, ainda agarrada ao telemóvel.
- Oh meu deus!
- NIKKA?!
- Alexander, está tudo a arder!
O inferno estava á minha frente, os campos estavam a arder, buracos no chão. Vampiros corriam por todo o lado, muitos deles em chama. Mas começaram a ouvir-se tiros na floresta, bombardeamentos dentro do castelo.
Alexander gritava-me ao telemóvel, mas eu não conseguia responder a nada do que me dizia. Percebia os seus gritos desesperados a perguntar-me o que se passava e a chamar o meu nome, mas estava com tanto medo que fugi para as escadas e ondas de chamas impediam a passagem no 3 andar. O castelo estava a arder em alguns locais.
Fogo. O puro em mim reagia aquilo descontroladamente. Pânico. Podia matar-me. Lembrava-me do pânico de Mariannan ao sol. De Alain no cimo das escadas quando eu era humana e ele tinha provocado Alexander. Alex tinha feito o seu casaco arder. Ele tirou-o longe em pânico.
Um pânico e um instinto de auto preservação em cada um de nós. Talvez o facto de ser jovem tornava tudo pior. Fogo sempre tinha sido bom e nunca antes tinha tido este medo paralisante, mas porque Alexander estava lá comigo. O fogo e ele eram um só e nunca me magoaria. Agora… Agora Alexander estava longe. O fogo fazia estalidos e as chamas amarelas e azuis faziam algo dentro de mim tremer desesperadamente. Instinto.
- NIKKA!
Ouvi a voz de Julianne. ela estava no final das escadas, 3 andares abaixo. Só a ouvia. Nem eu conseguia ir ter com ela e passar aquela muralha de chamas, nem ela chegar até mim.
- Julianne?!
- Vai para a janela do teu quarto. Eu vou buscar-te!
- Tu consegues?
- VAI!
- Alex?! Alex?! – gritei para o telemóvel que me começava a escorrer pelos dedos – Estás a ouvir?
- NIKKA! PORRA! PORRA! PORRA! POR FAVOR DIZ-ME O QUE SE PASSA!
- Não sei! – comecei a chorar desesperada, ouvia vozes no final da escadaria e sabia que eles começavam a subir as escadas. Com armas. Só passariam chamas com o equipamento certo. E eu sabia que vinham para mim. – Não sei! Era meia noite – engoli as lagrimas – e ouvi uma sirena. Depois começou tudo!! Eram bombas, os campos rebentaram todos, está tudo em chamas! As escadas estão em chamas! Alguém vem atrás de mim com armas, ouço tiros. Alguém deve estar a tentar impedir que subam as escadas, mas não sei! O fogo Alex… Não consigo respirar com o medo! É tão aterrorizante, não estás aqui para me impedir de queimar.
- NIKKA!
- A-a-a Julianne vem buscar-me á janela. Tenho de ir.
- NÃO DESLIGUES! VAI! PORRA! PORRA!
As minhas pernas não me acompanhavam bem.
- Alex. Estou com tanto medo. Acho que estou a entrar em colapso. A minha cabeça está a explodir!
- Por tudo que é mais sagrado Nikka… – falava baixo pela primeira vez – Respira fundo, amor. Calma. Tudo vai ficar bem.
- Prometes?
- Sim. Toma folego, está bem?
- Aham.
Comecei a respirar levemente a esfregar as têmporas mas só tive uns segundos para isso. Tinha de me mexer, tinha de fugir das chamas.
- Eu acho que vou morrer, Alexander.
- CALA-TE! – ouvia a sua voz desesperada e percebia que também ele estava a chorar. – Não desistas! NÃO ME FAÇAS VIVER SEM TI!
Eu queria tanto estar calma, queria que ele não sofresse ao me ouvir. Ele não merecia ouvir aquilo e estar tão longe de mim.
Continuei a subir as escadas mas o medo do fogo era brutal. Nunca pensei no fogo como inimigo, ele sempre me fazia lembrar de Alexander e das linhas bonitas e quentes que ele fazia deslizar pela minha pele branca. Agora percebia que era algo na nossa natureza, o medo paralisava-me. Alexander não estava comigo e era por isso que tinha medo. Tinha que continuar a subir as escadas, mas olhava o tempo todo para trás e ainda ouvia o som de passos a subir as escadas.
- Vou desligar. – disse baixinho sufocada. – Tu sabes que te amo, que és tudo para mim. Desculpa.
- EU RECUSO-ME A OUVIR ISSO!
- Por favor, diz que me amas. Por favor.
Senti algo rebentar ao lado do meu rosto e fui atingida por algumas pedras que me cortaram a bochecha. Cai. Levantei a cabeça desnorteada. Não conseguia ouvir nada do meu ouvido esquerdo. Tentei apalpar a zona mas só senti molhado, provavelmente sangue. Quando avaliei a minha mão, fiquei ainda mais apavorada. Não via. Soltei um grito que me arranhou a garganta. Sentia ácido nos olhos. Tateei pelo telemóvel, de joelhos. Ouvia o som distante de Alexander a gritar o meu nome. Segui o som o melhor que podia com a audição comprometida e apanhei o aparelho.
- ALEX!
- NIKKA!
- Uma coisa explodiu ao lado da minha cabeça! Não consigo ver. Não consigo ouvir do lado esquerdo. Não vou encontrar Julianne…
Ele rugiu desesperado.
- Alex?
- SIM?!
- Ainda não disseste que me amas. Por favor.
- NÃO ME VOU DESPEDIR DE TI!
- Desculpa.
- Nikka. Ouve-me. CORRE! CORRE O MAXIMO QUE PODERES! Não pares de correr amor. Corre até sentires que é dia, corre mesmo que o teu corpo grite para parares. Não pares por motivo nenhum! Foge para o rio, onde o fogo não te consiga atingir. Ou foge para qualquer lado. Eu encontro-te depois. EU ENCONTRO-TE! MAS FOGE! Como teu criador ordeno-te que corras! CORRE! Eu prometo que te encontro, pequena. Mas tens de correr e fugir daí!
- Está bem. – arfei tentando ficar de pé o mais rápido possível.
- Nikka?!
- Sim?
- AMO-TE! Não me destruas amor. Não me faças viver sem ti. Corre por tudo. Corre.
- Vejo-te mais tarde. Amo-te.
Larguei o telemóvel e comecei a correr como ele disse. Ouvia os seus rogidos pelo telemóvel, mas quando subia as escadas deixei de os ouvir. Cai muitas vezes na escada, não conseguia encontrar o caminho. Senti chamas na minha pele. Era o meu casaco que tinha pegado fogo. Tirei-o rapidamente. Os meus pés estavam descalços sentia chamas e cortes, mas não parei. Tentei guiar-me pelo olfacto. Lembra-te Nikka. Alex fez-te treinar com uma venda nos olhos. Usar a audição e o olfacto. Tateei pelas paredes e encontrei uma estatueta. Um busto. Ok. Estava no piso 5. O meu quarto era no piso 7, muito longe para mim nas condições que me encontrava. Não chegaria lá. Procurei por uma entrada para o quarto que sabia ser de Alain que ficava no piso 4. Tropecei varias vezes, não conhecia o lugar. Quando encontrei a janela, partia e lancei-me para baixo. Cai bem na frente das escadas principais, senti na minha anca as escadas, sabia que tinha partido o braço e deslocado a anca, mas levantei-me rápido. Não podia parar.
Comecei a cheirar o ar. Ouvia vozes, e então comecei a expandir o meu calor, brilharia tanto que nenhum vampiro ou humano conseguiria aproximar-se. Mas eles tinham armas e eu estava a mostrar-me para eles, não sabiam que eu tinha este poder mas mesmo assim iriam disparar se não me mexesse. Parei de expandir raios com medo que me encontrassem. Corri de novo e senti os enormes muros do castelo.
A única coisa que conseguia cheirar era poeira, sangue e fumo. Sentia as pedras nas minhas mãos, estavam frias. Era o caminho certo. Não sentia o calor do fogo ali.
Não tinha força para saltar. Os muros eram muito altos. Um som estridente, um ganido agoniado tirava-me a concentração. Só depois percebi que era eu própria que fazia aquele som. Arranhei o muro, tentava subir. Os saltos que dava não eram altos o suficiente. Não sei quanto tempo fiquei ali de um lado para o outro a tentar fugir. A tentar subir o muro, a tentar encontrar outra saida. Perdi o senso da realidade á muito.

Ouvia o nome de Alexander por toda a parte e sabia que era eu quem o gritava. Aquela sensação que me aquecia um pouco o peito, a minha ligação com Alexander, o meu criador… estava a perder-se. Quase não a sentia. Era muito ténue.
Estaria a morrer?
Não tinha mais forças, caí no chão de joelhos o corpo todo a tremer, e rugi o nome de Alexander desesperada. Eu já não o sentia. Nada. Como quando ele me renegou e a nossa ligação foi quebrada. Queria dizer que tinha morrido?
Eu sentia-me viva, não muito, mas sentia. Porque não o sentia? Lebantei-me e rugi desesperada o nome dele, arranhei a parede. Eu tinha de fugir dali.
Algo veio contra mim e apertou-me forte. Debati-me com toda a minha força, arranhando o mais que podia o atacante. Senti que estávamos a levitar, então parei. Só os puros podiam um dia vir a levitar. E só Alexander o fazia. Inalei forte e senti o seu perfume. O corpo forte e quente dele.
- Alexander! – abracei-o com todas as minhas forças.
- Eu disse que te encontrava, pequena. – ouvi a sua voz rouca, cheia de emoção. O sotaque dele um pouco arrastado. – Encontrei-te.
Alexander estava comigo agora. Era o seu cheiro, a sua voz, o corpo que eu tão bem conhecia. Só ele me acalmava assim, só o toque dele arrepiava a minha pele. E mais uma vez, ele salvava-me.
Mas como é que ele chegou tão rápido? Estava do outro lado do mundo, não estava?
Comecei a entrar em pânico de novo.

Que tal? =)
Espero que tenham gostado.
O capitulo 19 foi assim sem tempo de respirar desde o ataque, não foi? ;)
Comentem sff ;)
Estou curiosa sobre o que acharam.
P.S-> Vou tentar responder hoje a todos os comentários do último capitulo. Se não o fizer, amanha contínuo. Depois confiram ;)
Beijinhos